Ouça Ao vivo Peça Sua Música Android App iOS App

Emprego

19.03.2020 - 14:29

685 visualizações

Empresas poderão cortar jornadas e salários pela metade

Foto: Imagem ilustrativa

Além de permitir o adiamento do pagamento de tributos e contribuições, o governo quer permitir que as empresas afetadas pela crise do coronavírus cortem temporariamente metade da jornada e dos salários dos trabalhadores. Nos próximos dias, uma medida provisória (MP) deve ser editada para flexibilizar normas trabalhistas durante o estado de calamidade pública.

 

Segundo o Ministério da Economia, a medida é importante para evitar demissões e a perda de empregos provocada pela queda da atividade econômica. A negociação será individual.

 

“É preciso oferecer instrumentos para empresas e empregados superem esse período de turbulência. O interesse de ambos é preservação de emprego e renda”, disse o secretário de Trabalho da pasta, Bruno Dalcolmo.

 

O salário-hora do trabalhador não pode ser reduzido, de forma que a diminuição da jornada seja proporcional à redução do salário. As empresas também deverão continuar a pagar pelo menos o salário mínimo.

 

“Não é algo simples, mas a ideia é preservar o emprego. Muito mais grave, diante de uma crise dessa, é a pessoa perder o emprego e sobreviver sem salário”, justificou o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

 

Segundo ele, a ideia é que o trabalhador tenha uma renda de subsistência durante o estado de calamidade.

 

Férias e feriados

A medida provisória também prevê a simplificação de diversos itens, como o trabalho remoto, a antecipação de férias individuais e de feriados não religiosos e a decretação de férias coletivas (tanto num setor como em toda a empresa). O trabalhador com horas a mais trabalhadas poderá usar o banco de horas para tirar folgas, em troca da reposição depois do fim da calamidade pública, limitada a duas horas por dia.

 

Em entrevista coletiva para detalhar as novas medidas para a preservação dos empregos, a equipe econômica informou que cogitava em incluir, na medida provisória, um dispositivo que permitia a suspensão do contrato de trabalho, nos moldes de alguns países europeus. Nesse caso, o trabalhador não teria o salário reduzido a zero, mas receberia uma parte da remuneração, conforme explicou Dalcomo.

 

Na segunda-feira (16), o ministro da Economia, Paulo Guedes, tinha anunciado uma série de medidas para ajudar empresas afetadas pela crise do coronavírus. As ações incluíam o adiamento, por três meses do pagamento das contribuições do patrão ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), dos tributos relativos ao Simples Nacional e a redução, pelo mesmo período, das contribuições para o Sistema S. O governo também destinou uma linha de crédito de R$ 5 bilhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

 

* Por Agência Brasil

Agenda

Top 10

  • 1MARÍLIA MENDONÇA - SUPERA (2019)
  • 2MATHEUS E KAUAN Part. Jorge e Mateus - QUARTA CADEIRA (2019)
  • 3BRUNO E MARONE - SHOW DE RECAIDA (2019)
  • 4DIEGO E ARNALDO - RELOGIO PARADO (2019)
  • 5JOÃO NETO E FREDERICO - RADIN LIGADO (2019)
  • 6MELIM - GELO (2019)
  • 7GIULIA BE - MENINA SOLTA (2019)
  • 8SORRISO MAROTO - REPRISE (2019)
  • 9IZA - MEU TALISMÃ (2019)
  • 10LILL NAS X Feat. Bily Ray Cyrus - OLD TOWN ROAD (2019)
Fale Conosco: 54 3344 1605
Tapejara/RS - Brasil
100e7 FM © Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por wg3web.com.br